TwitterFacebook

COMO DEVO ABORDAR UM CÃO DESCONHECIDO ?

Constantemente nos deparamos com cães. Sejam soltos nas ruas, presos em suas guias e coleiras ou na casa de vizinhos, amigos e familiares. Porém, pouca gente sabe como abordar um cão desconhecido. Alguns têm medo, outros, receio e uns se sentem corajosos para interagir com o animal. Mas o que realmente devemos fazer para não gerar nenhum mal-estar com o novo “amigo”?
Primeiramente deve-se respeitar o animal e não julgá-lo por seu tamanho, raça e cor. Passada a primeira impressão, devemos deixar o animal nos conhecer e não ir direto em sua direção, principalmente quando ele está em seu território. Os cães conhecem os indivíduos pelo olfato, então provavelmente ele virá até você sentir seus mais diferentes cheiros (às vezes gerando até constrangimento ao cheirar suas partes íntimas), momento no qual recomenda-se oferecer a mão com o punho fechado (para evitar que os dedos fiquem desprotegidos) para que ele possa cheirar. É importante não ter nenhum tipo de contato visual, não falar, não tocar no cão e manter uma postura firme, sem demonstrar medo para que ele possa fazer seu reconhecimento tranquilamente.
Após esse reconhecimento e aprovação demonstrada pelo cão, o toque e a fala estão  liberados, porém devem ser iniciados com cautela,  acariciando-o em lugares visíveis ao animal, como o pescoço e o tórax, e NUNCA por cima da cabeça como a maioria das pessoas fazem. Desse modo você estará passando confiança e respeito para o novo amigo, e aos poucos vai conseguir um contato mais próximo.
Lembrando que os cães são animais irracionais e podem cometer atitudes inesperadas, o jeito de abordar um cão não é uma ciência exata. Portanto, procure saber pelos proprietários como o animal se comporta diante de pessoas estranhas, e sempre fique atento à postura do cão durante a abordagem. Crianças devem sempre ser supervisionadas por adultos quando estão com cães desconhecidos.
  • abcdoscaes

    Muito obrigado, Marcelo. Espero que essas dicas o ajude no dia-dia. Atenciosamente.

  • Marcelo Simonka

    O artigo é muito útil e esclarecedor, e melhor, muito claro em sua explicação.